sexta-feira, dezembro 4A NOTÍCIA QUE INTERESSA
Shadow

Fiocruz integra coalizão para acelerar pesquisa sobre Covid-19

Please enter banners and links.

A Fiocruz passa a integrar um grupo de mais 70 cientistas e instituições de 30 países em uma coalizão internacional para enfrentar a epidemia de Covid-19 em países de média e baixa renda. Lançada nesta quinta-feira (2/4), a iniciativa, batizada de Coalizão de Pesquisa Clínica de Covid-19, visa acelerar a pesquisa sobre o novo coronavírus nas áreas em que o vírus pode ocasionar estragos em sistemas de saúde já frágeis e causar maior impacto à saúde de populações vulneráveis.

Compartilhamento de dados e acesso equitativo a medicamentos, tratamentos e vacinas são os valores que guiam a coalizão. “Estes são os mesmos valores que guiam a Fiocruz, com uma visão de ciência aberta e saúde pública”, destacou a presidente da Fundação, Nísia Trindade Lima, ao demonstrar a importância da coalizão que tem entre seus objetivos gerar maior mobilização para garantir preços acessíveis. 

Para os membros da coalizão, a resposta global à pandemia tem sido encorajadora. Novos e importantes financiamentos estão surgindo quase diariamente. Porém, se ambientes com recursos limitados e populações vulneráveis não fizerem parte dos planos globais de avaliar a segurança e a eficácia de novas ferramentas de diagnóstico, medicamentos, vacinas e intervenções não médicas, milhões de pessoas poderão ter acesso negado a todas estas tecnologias.

Em comentário publicado no The Lancet, os participantes argumentam que a colaboração e a coordenação internacional de pesquisa são urgentes para incluir a experiência e necessidades de países latino-americanos, africanos, do leste europeu e certos países asiáticos e assim responder efetivamente à pandemia crescente e acelerar a pesquisa adaptada para configurações com recursos limitados.

A Fiocruz foi convidada para integrar a coalizão pela Iniciativa para Medicamentos para Doenças Negligencias (DNDi). A Fundação já lidera no Brasil uma importante resposta de pesquisa à Covid-19, o estudo Solidariedade, lançado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A participação do Brasil é importante, pois são poucos os ensaios clínicos para Covid-19 planejados em países país de baixa e média renda. 

“Nós temos uma história na área de pesquisa e também na produção de medicamentos e vacinas. Uma iniciativa como esta deve potencializar o desenvolvimento de um complexo industrial da saúde no Brasil. É importante lembrar que o [Sistema Único de Saúde] SUS envolve não só a produção, mas também o desenvolvimento científico e tecnológico”, afirma a presidente da Fiocruz.

Com a nova iniciativa, os conhecimentos técnicos e capacidades geradas a partir dos ensaios clínicos serão compartilhados com os todos participantes, que podem estabelecer parcerias e estender estes estudos a outros países na sua respectiva região ou nas demais. Outros membros da coalizão podem apoiar oferecendo conhecimento técnico, financiamento, materiais e outros insumos para garantir que a pesquisa seja realizada o mais rápido possível.

A coalização reúne um conjunto sem precedentes de especialistas em saúde, incluindo cientistas, médicos, institutos de pesquisa do setor público, ministérios da saúde, academia, organizações sem fins lucrativos de pesquisa e desenvolvimento, ONGs, organizações internacionais e financiadores, todos comprometidos em encontrar soluções para o Covid-19 em ambientes com recursos escassos. Entre os eles institutos de pesquisa do setor público da África e da América Latina, como o Instituto Nacional de Pesquisa Biomédica (República Democrática do Congo), o Instituto Nacional de Saúde da Colômbia, Instituto de Saúde Ifakara (Tanzânia) e o Instituto de Pesquisa Médica do Quênia (Kemri). Outras instituições ainda podem vir a se unir.

A ação coordenada fará com que todos os dados de todas as regiões possam ser coletados de maneira semelhante, reunidos e compartilhados em tempo real. Isto ajudará os países e a OMS a tomar decisões rápidas sobre políticas e práticas e baseadas em evidências científicas.

“Celebramos o lançamento desta coalizão, que tira proveito da experiência multinacional e multidisciplinar existente na execução de ensaios clínicos em ambientes com poucos recursos, e ajudará a OMS em seu papel de coordenadora na resposta global ao Covid-19”, disse a cientista chefe da Organização Mundial da Saúde, Soumya Swaminathan, “Embora o epicentro esteja hoje em outro lugar, precisamos nos preparar agora para as consequências dessa pandemia em ambientes com menos recursos ou podemos perder muito mais vidas”.

Agência Fiocruz de Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *