sábado, junho 22A NOTÍCIA QUE INTERESSA
Shadow

Calor intenso: O clima é determinante para definição da safra de soja e milho?

Please enter banners and links.

Onda de calor eleva temperaturas acima da média em 15 estados e no DF, com previsões de até 43° –
Calor intenso: O clima é determinante para definição da safra de soja e milho?

Nos últimos dias, as altas temperaturas têm sido pauta do cotidiano brasileiro. Ar condicionado, ventilador, sombrinha, água gelada e protetor solar são itens essenciais para uma pessoa se proteger do calor. Mas e uma plantação de grãos? Como uma safra de soja e milho pode não ser prejudicada devido a elevação térmica?

O Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) emitiu um alerta de “grande perigo” por conta das temperaturas acima da média para 15 estados e o Distrito Federal, com previsões podendo alcançar a casa dos 43°, como é o caso de Cuiabá, no Mato Grosso. 

O clima é um fator decisivo para uma produção agrícola, sendo ele um balizador do calendário e velocidade de plantio, da maturação e desenvolvimento das lavouras e do potencial produtivo. O calor é um fator determinante para uma safra. No momento, estamos vivenciando o plantio para uma colheita futura, nesse processo, a umidade do solo, luminosidade e regularidade hídrica são necessárias para toda e qualquer cultura prevalecer. 

“A soja possui um ciclo médio de 90 a 120 dias de cultivo. O processo é formado basicamente por três grandes fases: Vegetativa, reprodutiva e maturação. Em seu ciclo, a soja necessita de volumes de chuva na ordem de 550-650 mm/ciclo. Já o milho um ciclo médio de 115 a 130 dias, necessitando de 400-700 mm/ciclo. Essa chuva não pode, em hipótese alguma, vir concentrada de uma única vez, ela necessita ter a cadência necessária para cada fase da planta; principalmente na fase reprodutiva. Com essa onda de calor, essa situação pode não acontecer”, comenta Enrico Manzi, country manager da Biond Agro.

O clima de 2024 será determinante para as plantações?

Quando se fala de clima, trabalha-se com probabilidades de ocorrência já que há grande variação ao longo do tempo. O NOAA (Administração Oceânica e Atmosférica Nacional dos EUA) prevê que o El Niño, fenômeno climático que ocasiona alterações na temperatura da superfície do oceano pacífico, seja presenciado até abril de 2024 com mais de 95% de probabilidade, interferindo diretamente no clima brasileiro.

Atualmente, todos os mapas meteorológicos futuros apontam alguma anomalia hídrica (falta ou excesso de chuvas) em várias regiões produtoras do país, especialmente a escassez de chuvas no Centro-Oeste. Caso a seca continue, haverá impactos de área e produtividade agrícola. 

“As projeções produtivas de soja da Biond Agro, apontam um corte inicial de 100 mil hectares e uma baixa produtiva de 4,4 milhões de toneladas ante a nossa última projeção realizada, totalizando então 45,5 milhões de hectares plantados e 159,4 milhões de soja produzidas”, comenta Manzi.

A influência da intensidade dos fenômenos climáticos nas plantações

O Brasil vivencia a atuação de dois fenômenos climáticos principais, El Niño e La Niña. O primeiro provoca tipicamente secas nas regiões Norte e Nordeste do país, enquanto a La Niña favorece a formação de chuvas nessas mesmas regiões. Já a região Sul é marcada por maiores volumes de chuva durante o El Niño e, de forma contrária, menores volumes pluviométricos ocorrem na La Niña.

Quanto mais intensos forem esses fenômenos, mais propensos serão os riscos nas safras, seja por excesso ou falta de chuva, por altas ou baixas temperaturas. 

É possível evitar condições climáticas adversas? 

Os efeitos climáticos são naturais, não sendo possível evitá-los de acontecer. No entanto, para aliviar as consequências deles no processo de uma safra é necessário utilizar a estratégia de acompanhamento dos mapas climáticos para plantar na “janela ideal de plantio”.

Outras possibilidades são tecnologia de sementes, manejo de solo e a irrigação (famosas áreas de pivô), sendo fatores de contenção. É válido lembrar que a irrigação também está sujeita a seca/calor extremo uma vez que o seu reservatório ou fonte de captação pode ser interrompido

As condições climáticas brasileiras trazem certa vantagem em comparação com outras regiões do mundo devido ao clima tropical. Por conta desse fator, conseguimos ter mais de uma safra e realizar o plantio de soja e milho na mesma área, enquanto os Estados Unidos, por exemplo, precisam escolher se plantará cultura x ou y no verão ou no inverno.

“Atualmente estamos na fase de plantio da safra verão, um plantio que está atrasado devido às condições climáticas adversas, esse prolongamento do plantio resultará também em um prolongamento da janela de colheita, ou seja, quanto mais tarde se planta, mais tarde se colhe. Sendo assim o atraso na janela de plantio da soja tem impacto direto na janela de plantio do milho”, finaliza o country manager.

Fonte: Agêmcia Contatto

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp
Enviar um WhatsApp para a redação
%d blogueiros gostam disto: