domingo, junho 23A NOTÍCIA QUE INTERESSA
Shadow

Triglicerídeos altos podem indicar risco para a saúde

Please enter banners and links.

Hábitos saudáveis, como atividades físicas e alimentação balanceada, ajudam a regular os níveis da substância no sangue –

Os triglicerídeos são uma forma de gordura presente no sangue e desempenham um papel vital na saúde do corpo. No entanto, quando em níveis elevados, podem se tornar uma ameaça, aumentando os riscos para uma série de condições graves, como pancreatite e doenças cardíacas. Outro fator importante é a ausência de sintomas quando os triglicerídeos estão alterados, sendo necessário realizar exames para confirmar o diagnóstico.

“Existem causas genéticas de aumento dos triglicerídeos, porém a genética isolada corresponde à minoria dos casos. Na maioria das vezes, a hipertrigliceridemia (triglicerídeos altos no sangue) está relacionada à combinação dos hábitos de vida com a genética. O abuso de álcool, alimentos ricos em gordura saturada ou açúcares são exemplos de fatores que influenciam no aumento dos triglicerídeos”, comenta a endocrinologista e consultora médica do Sabin Diagnóstico e Saúde, Ana Clara d’Acampora.

Estudos conduzidos no Brasil revelaram que a prevalência de dislipidemia, que é caracterizada por elevados níveis de gorduras, como os triglicérides, no sangue, é de 43% a 60% da população. Os dados estão presentes no ‘Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Dislipidemia: prevenção de eventos cardiovasculares e pancreatite’ do Ministério da Saúde (MS).

A prevenção das dislipidemias e de suas possíveis consequências, como a pancreatite aguda, envolve a adoção de um estilo de vida saudável. Isso inclui uma dieta balanceada, rica em frutas, vegetais e grãos integrais, e pobre em gorduras saturadas e açúcares refinados. Além disso, é importante evitar o consumo excessivo de álcool. 

A prática regular de exercícios físicos também é fundamental para manter um peso saudável e evitar a elevação dos triglicerídeos. Além disso, para quem tem histórico familiar de pancreatite ou já teve a condição antes, pode ser necessário tomar medidas adicionais para prevenir futuros ataques, como evitar certos medicamentos e fazer exames regulares.

Sinais e consequências

Embora não apresente sintomas, é possível surgirem sinais relacionados a alguma das consequências dos triglicerídeos altos. De acordo com a endocrinologista, um deles é quando ocorre a combinação de triglicerídeos altos e alterações do colesterol, aumentando o risco de doenças cardiovasculares. A obstrução de vasos sanguíneos, por exemplo, pode causar tontura, dor no peito e, em casos graves, derrame. Já a pancreatite pode ocorrer com dor abdominal intensa, náuseas, vômitos e febre.

Também em relação às doenças cardíacas, o entupimento de vasos sanguíneos em razão do excesso de gorduras pode culminar em infartos e a acidentes vasculares cerebrais (AVC). Segundo levantamento do Instituto Nacional de Cardiologia (INC), de 2008 a 2022, o número de internações por infarto aumentou 150%, no Brasil. As doenças cardíacas são a principal causa de morte no país.

Quando em alta, os triglicerídeos podem ainda bloquear dutos no pâncreas, gerando um quadro de pancreatite aguda. Níveis de triglicerídeos acima de 500 mg/dL, por exemplo, podem precipitar esse tipo de quadro. A doença é um processo inflamatório caracterizado pela autodigestão do pâncreas, causado pelas próprias enzimas presentes no órgão. Se não tratada, pode levar à hemorragia e atingir outros órgãos.

Por não apresentar sintomas, os triglicerídeos altos precisam ser diagnosticados por meio de exames laboratoriais indicados por profissionais qualificados. Os testes mais comuns são os exames de triglicerídeos (TG) e de perfil lipídico. Este último inclui outras gorduras que podem estar presentes no sangue, como o colesterol HDL (o ‘bom’) e o LDL (considerado ‘ruim’).

“Ambos são exames de sangue com procedimentos bem simples, que fornecem informações que auxiliam o médico no acompanhamento do paciente”, pontua Fabiano Castro, biomédico do Sabin Diagnóstico e Saúde.

O exame de triglicerídeos pode exigir jejum de 12 horas em alguns casos, a depender da orientação do médico. No caso do perfil lipídico, o jejum não é mais necessário, pois hoje os laboratórios trabalham com valores de referência que independem da última refeição do paciente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp
Enviar um WhatsApp para a redação
%d blogueiros gostam disto: