quarta-feira, outubro 20A NOTÍCIA QUE INTERESSA
Shadow

Please enter banners and links.

Joe Biden sobre os ataques em Cabul: “não vamos perdoar, não vamos esquecer”

 Expresso –

Antes de começar a responder a perguntas dos jornalistas presentes na Casa Branca, o presidente norte-americano fez um minuto de silêncio em homenagem às vítimas dos atentados desta quinta-feira, reivindicados pelo Daesh

© Bloomberg/Getty Images

Joe Biden prometeu esta quinta-feira que os responsáveis pelos ataques no aeroporto de Cabul, que provocaram 12 baixas entre os militares norte-americanos, serão capturados e pagarão pelos atos perpetrados. O presidente dos Estados Unidos, numa intervenção transmitida a partir da Casa Branca, garantiu: “não vamos perdoar, não vamos esquecer”.

“Aqueles que deram as suas vidas são heróis”, disse Biden, “heróis que estiveram envolvidos de forma altruísta em missões perigosas destinadas a salvar vidas alheias”. Antes de começar a responder a perguntas dos jornalistas presentes na Casa Branca, o presidente norte-americano fez um minuto de silêncio em homenagem às vítimas dos atentados bombistas desta quinta-feira, reivindicados pelo Daesh.

“Vamos responder com força e precisão a seu tempo, num lugar escolhido por nós e da forma que nós escolhermos”, garantiu Joe Biden, enquanto revelava ter dado ordens aos comandantes militares para desenvolverem planos de ataque a ativos, lideranças e instalações do Daesh-K. “Estes terroristas do Daesh não vencerão, resgataremos os americanos, retiraremos os nossos aliados do Afeganistão e a nossa missão vai continuar”, acrescentou o presidente dos Estados Unidos.

Mesmo com o ataque desta quinta-feira e perante o caos instalado em Cabul nos últimos dias, Biden mantém que a decisão correta foi a da retirada das tropas. “Minhas senhoras e meus senhores, já era tempo de terminar uma guerra que durava há 20 anos”, disse, acrescentando que nunca defendeu que se deveria “sacrificar vidas norte-americanas” para se tentar construir um governo democrático no Afeganistão. “É um país que em toda a sua história não esteve uma única vez completamente unido.”

E em seguida argumentou que o interesse dos EUA no país estavam relacionados com a prevenção do ressurgimento da al Qaeda. “Primeiro para apanhar [Osama] bin Laden, apagar a al Qaeda do Afeganistão e prevenir que tudo voltasse a acontecer. Tal como já disse mil vezes, o terrorismo está metastizado em todo o mundo. Temos ameaças maiores noutros países bem mais próximos dos EUA.”

Recordando que o acordo entre os EUA e os talibãs foi assinado pelo anterior presidente, Donald Trump, Biden diz que assume “a responsabilidade por fundamentalmente tudo o que aconteceu” nos últimos dias no Afeganistão. “Imaginem que a data fixada para a evacuação tinha sido 1 de maio. Eu não iria renegociá-la. Iríamos ficar lá e não teria outra alternativa além de enviar mais centenas de tropas para travar a guerra.” Só há uma exceção para serem enviados militares adicionais para o Cabul: caso as equipas que estão na missão de retirada precisem e peçam reforços. “Se precisarem de força extra, vou assegurá-la.”

Biden admitiu também que depois de 31 de agosto, data limite fixada para retirar as pessoas de Cabul, os EUA vão tentar tirar do país alguns afegãos que tenham visto norte-americano. “Há milhões de cidadãos que não são talibãs, que não cooperaram diretamente connosco e que entrariam num avião amanhã, se essa oportunidade lhe fosse dada. Parece ridículo mas a grande maioria de pessoas, em comunidades como aquela, se tiverem opção de escolha, querem vir para os EUA”, disse. “Por isso é que ninguém pode garantir que todas as pessoas vão ser retiradas, porque existe esta determinação em todos eles de também quererem sair.

Terror no Afeganistão: o que é o “Estado Islâmico Khorasan”?

Ramo afegão do EI reivindicou autoria de ataques a bomba nos arredores do aeroporto de Cabul, mostrando ser uma grande ameaça à segurança do país. Para o grupo terrorista, Talibã é moderado demais.O que muitos temiam aconteceu nesta quinta-feira (26/08): várias pessoas foram mortas em uma série de explosões nos arredores do Aeroporto Hamid Karzai, em Cabul. As explosões aconteceram após agências de inteligência ocidentais alertarem para uma iminente ameaça terrorista, pedindo que cidadãos não se dirigissem ao aeroporto.

O ramo afegão da organização terrorista “Estado Islâmico” (EI), conhecido como “Estado Islâmico Khorasan” ou EI-K, assumiu a responsabilidade pelos ataques. O nome do grupo vem da província de Khorasan, uma região que durante a Idade Média englobava grandes áreas do Afeganistão, Irã e Ásia Central.

Segundo disseram autoridades americanas ao jornal The New York Times, os ataques ao aeroporto foram investidas estratégicas contra os EUA e o Talibã, cujos líderes estão tentando provar ao mundo que controlam o país.

Na terça-feira, quando o presidente dos EUA, Joe Biden, declarou que os esforços de evacuação seriam concluídos até 31 de agosto – para grande consternação de alguns aliados –, ele citou o “Estado Islâmico” e não o Talibã como o motivo para seguir o cronograma.

“Cada dia que ficamos é um novo dia em que sabemos que o EI-K vai atacar o aeroporto e atacar americanos, bem como aliados e civis inocentes”, disse Biden na Casa Branca, apontando que a milícia terrorista era um “inimigo declarado” do Talibã.

Jihadistas divididos

Já faz algum tempo que o EI-K e o Talibã travam batalhas sangrentas. Antes das explosões desta quinta-feira, agências de notícias citaram fontes militares dizendo que o Talibã interceptou e matou vários assassinos do EI em postos de controle do Talibã ao redor do aeroporto. Além disso, vários guardas do Talibã também teriam sido mortos nos ataques a bomba.

Um abismo ideológico separa os dois grupos militantes. Enquanto o EI pertence ao movimento salafista do Islã, o Talibã aderiu à escola Deobandi.

E enquanto o Talibã parece satisfeito – pelo menos por agora – com um emirado para si no Afeganistão, o “Estado Islâmico” no Afeganistão e no Paquistão se esforça para estabelecer um califado em toda a Ásia Central e do Sul, além de ter abraçado a campanha do “Estado Islâmico” por uma jihad mundial contra não muçulmanos.

Há também a questão da sharia e como ela é interpretada. Para o EI-K, as interpretações da lei islâmica pelo Talibã não são rígidas o bastante. Os combatentes do EI chamaram os talibãs de apóstatas e maus muçulmanos por causa de sua disposição de negociar um acordo de paz com os Estados Unidos. Ao fazer isso, eles teriam traído os objetivos da jihad, afirmaram combatentes do EI.

Isso também explica por que diversos grupos jihadistas parabenizaram os talibãs quando marcharam rumo a Cabul há duas semanas, mas os grupos do Estado Islâmico não o fizeram. Em vez disso, o EI-K anunciou que continuaria a lutar contra o Talibã. Militantes do Talibã juntaram-se às forças do governo dos EUA e do Afeganistão para expulsar o “Estado Islâmico” de partes do nordeste do Afeganistão.

De acordo com um relatório da ONU de 15 de julho, o EI-K tem entre 500 e 1,5 mil combatentes no Afeganistão, tendo fortalecido suas posições na capital, Cabul, onde realiza a maioria de seus ataques. O grupo espera ampliar suas fileiras recrutando combatentes do Talibã insatisfeitos com as recentes negociações de paz com os EUA.

O EI também está contando com um fluxo de combatentes vindos da Síria, Iraque e outras zonas de conflito. Em um relatório da ONU de junho, o órgão mundial estimou que há entre 8 mil e 10 mil combatentes estrangeiros atualmente no Afeganistão.

Uma longa trajetória de ataques sangrentos

O EI-K tem se ocupado bastante com terrorismo. A Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (Unama) contabilizou 77 ataques do EI só nos primeiros quatro meses de 2021. Isso é três vezes mais do que no mesmo período do ano passado. Em maio, um carro-bomba matou 85 pessoas e feriu outras 300 em uma escola frequentada principalmente por meninas xiitas em Cabul. Os Estados Unidos culparam o EI-K pelo ataque.

Um mês depois, militantes do EI emboscaram e mataram outras dez pessoas que trabalhavam para uma ONG antiminas terrestres na província de Baghlan, no norte do Afeganistão. Os mortos pertenciam à HALO Trust, uma instituição de caridade britânica criada em 1988 para ajudar países a se recuperarem de conflitos, livrando-os de minas terrestres. Posteriormente, o CEO da ONG disse à BBC que os combatentes locais do Talibã expulsaram os agressores, o que aumentou as tensões entre os dois grupos.

O EI-K pegou em armas contra o Talibã em 2017, quando expulsou o Talibã da região montanhosa de Tora-Bora. O profundo sistema de túneis de Tora-Bora foi onde o ex-líder da Al Qaeda Osama bin Laden inicialmente se refugiou dos bombardeios retaliatórios americanos após os ataques de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos.

Originário do Paquistão, o EI-K começou como um grupo estudantil armado pertencente à organização central Tehrik-i-Taliban Pakistan, também referida como Talibã paquistanês. Temendo perseguição em casa, eles fugiram pela fronteira com o Afeganistão e juraram lealdade ao “Estado Islâmico” e ao então chefe do EI, Abu Bakr al-Baghdadi, em 2014, que acabou sendo morto em 2019.

No início de 2015, o EI acolheu oficialmente os terroristas em sua própria rede e anunciou sua expansão na Ásia Central como EI-K. Na época, o EI estava no auge de seu poder no Iraque e na Síria e foi capaz de fornecer apoio financeiro e pessoal para seu desdobramento no Afeganistão. Desde então, esse apoio praticamente acabou. Mas, de acordo com a ONU, a liderança do EI na Síria e no Iraque, que desde então passou à clandestinidade, ainda mantém contato com o EI-K.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp
Enviar um WhatsApp para a redação