quarta-feira, maio 18A NOTÍCIA QUE INTERESSA
Shadow

Defensivo agrícola: como softwares podem otimizar a aplicação?

Please enter banners and links.

O agronegócio brasileiro é responsável por cerca de 21% do Produto Interno Bruto (PIB) do País e emprega, direta ou indiretamente, quase 20% da população. Os grandes volumes de plantação e as grandes monoculturas características da região não seriam possíveis sem o uso adequado de defensivos agrícolas. O Brasil, entretanto, tem um grande problema por depender da importação de insumos agrícolas ou da matéria-prima para a sua fabricação.

Grandes monoculturas ficam mais suscetíveis ao ataque de pragas. (Fonte: Unsplash/Reprodução)
Grandes monoculturas ficam mais suscetíveis ao ataque de pragas. (Fonte: Unsplash/Reprodução)

O ano de 2021 escancarou as dificuldades que os produtores podem enfrentar em caso de queda dos estoques dos insumos internacionais. No ano passado, o aumento do preço das commodities energéticas afetou muitos países que produzem os fitossanitários. A maioria deles, como China e Rússia, dependem de carvão e de gás natural para alimentar as indústrias, e o aumento de preços diminuiu os estoques e elevou o preço dos insumos ao redor do mundo. No Brasil, o valor dos defensivos agrícolas mais do que dobrou em 2021.

Além dos preços mais altos, os defensivos agrícolas — se tiverem uso exagerado e inadequado — podem gerar uma série de problemas para o consumidor, o meio ambiente e as pessoas que vivem ao redor da plantação. 

Segundo o pesquisador da Embrapa Meio Ambiente, Aldemir Chaim, a má aplicação de defensivos agrícolas pode causar prejuízos de desperdício de até 40% dos produtos.

Por isso novas técnicas, como o uso de defensivos biológicos e do Manejo Integrado de Pragas, vêm ganhando espaço no mercado. Porém, pesquisas prometem revolucionar o modo como se utilizam defensivos agrícolas no Brasil. O uso de softwares para controle da aplicação podem reduzir em um terço a quantidade de fitossanitários utilizada, minimizando os impactos e o custo dos produtores.

Utilização de softwares para defensivos agrícolas

A empresa de consultoria agronômica, Fertigeo, divulgou uma pesquisa em que comprova os benefícios do uso de softwares no controle da aplicação de agrodefensivos. A empresa comparou as plantações de produtores que usavam métodos tradicionais de aplicação, como a calendarização, com produtores que usaram o método da empresa Farmbox.

A boa gestão e o uso de softwares para aplicação de defensivos-agrícolas podem aumentar a lucratividade das plantações. (Fonte: Pexels/Reprodução)
A boa gestão e o uso de softwares para aplicação de defensivos-agrícolas podem aumentar a lucratividade das plantações.
(Fonte: Pexels/Reprodução)

Com a constante coleta de dados possibilitada pelo uso de softwares, consegue-se um maior equilíbrio entre as pragas e os inimigos naturais. Além disso, o método permite a escolha ideal do produto a ser utilizado, pois demonstra com maior claridade quais são as infestações presentes e em quais regiões da plantação elas estão.

O grupo Franciosi Agro, que planta algodão e soja na Bahia, foi um dos beneficiados com essa tecnologia. Segundo o gerente, Samoel Carvalho, o monitoramento diário da plantação permitiu identificar as partes do talhão mais afetados pelas pragas. Com isso a aplicação de produtos foi mais localizada. Em comparação com as safras anteriores, houve uma economia de uma a duas aplicações.

O Agroslim é outro produto que busca oferecer aos produtores o melhor custo-benefício na agricultura. O produto também faz a coleta de dados e sugere o uso de técnicas de Manejo Integrado de Pragas (MIP) para atingir o alvo de forma mais eficiente possível.

Com isso é possível conter gastos desnecessários com aplicações excessivas e não efetivas de fitossanitários, fazer uma melhor gestão do estoque e reduzir a mão de obra e maquinário necessário na aplicação, aumentando a lucratividade da produção.

Com a tendência da manutenção de preços elevados dos insumos agrícolas, a boa gestão desses produtos não pode ser ignorada.

Fonte: Agroslim, Aegro, Embrapa, Summit Agro Estadão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp
Enviar um WhatsApp para a redação