quarta-feira, outubro 20A NOTÍCIA QUE INTERESSA
Shadow

Dia: 4 de outubro de 2021

Produção de alimentos em 2021 criou 92% mais novos postos de trabalho que 2020

Produção de alimentos em 2021 criou 92% mais novos postos de trabalho que 2020

AGRONEGÓCIO, ECONOMIA
Comunicado Técnico da CNA analisou dados do Caged, que mostrou geração de 185.906 vagas formais no setor de janeiro a agosto deste ano, melhor resultado para o período desde 2011 - A produção de alimentos gerou, de janeiro a agosto de 2021, 185.906 vagas de trabalho, 92% a mais do que o mesmo período de 2020 e o melhor saldo líquido de empregos para o acumulado de oito meses desde 2011 no setor.  É o que mostra o Comunicado Técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), que analisou os últimos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados pelo Ministério do Trabalho. No acumulado dos oito primeiros meses deste ano, o setor contribuiu com 8,3% do total de postos com carteira assinada no país em 2021, que foi de 2.245.692 vaga...
Tecnologias utilizadas por recordistas mundiais de produtividade são aplicadas em 2,5 milhões de hectares no Brasil

Tecnologias utilizadas por recordistas mundiais de produtividade são aplicadas em 2,5 milhões de hectares no Brasil

AGRONEGÓCIO
Na Geórgia, o agricultor Randy Dowdy chegou a 213,2 sacas de soja por hectare e o produtor David Hula, na Virgínia, alcançou 644,6 sacas de milho por hectare. Para garantir que a produção seja eficiente, as empresas do agronegócio têm buscado a inovação e a constante atualização tecnológica para oferecer mais eficiência e maior rentabilidade aos produtores, os quais representam um pilar fundamental na evolução da agricultura.  A busca por inovação somada ao manejo dos produtores proporcionou altas produtividades ao redor do mundo. Na Geórgia, o agricultor Randy Dowdy chegou a 213,2 sacas de soja por hectare e o produtor David Hula, na Virgínia, alcançou 644,6 sacas de milho por hectare. Ambos são os atuais recordes mundiais de produtividade para essas culturas, e estes núm...
Dez dicas para o produtor rural ajudar o meio ambiente o ajudar

Dez dicas para o produtor rural ajudar o meio ambiente o ajudar

AGRONEGÓCIO
Por Sergio Raposo de Medeiros - O termo meio ambiente é uma redundância, pois as duas palavras querem dizer a mesma coisa. O fato é que o termo assim se consagrou e, do mesmo jeito que estamos em seu meio, ele está no meio de nós. Quem eu vi primeiro fazer essa observação foi, meu então colega de Embrapa Gado de Corte, o Dr. Arnildo Pott, que completou dizendo que talvez o “meio” seria porque metade já foi antropizada, ou seja, sofreu ação do homem e não preserva mais suas características originais. Segundo dados da Embrapa Territorial, no caso do Brasil, a gente teria uma folga de 16 unidades percentuais antes de se enquadrar nessa piada, mas esses 66% de área preservada tem uma participação bastante pesada, pelo tamanho do bioma amazônico, que ainda teria mais do que 64% de ár...
Perdas e desperdício de alimentos no Brasil e no mundo

Perdas e desperdício de alimentos no Brasil e no mundo

AGRONEGÓCIO
por Alcides Torres e Amanda Skokoff - Introdução Em 29 de setembro se comemora o Dia Internacional da Conscientização sobre o Desperdício Alimentar, e em função disso chamar a atenção sobre os desafios para a minimização de perdas e desperdícios nas cadeias produtivas de alimentos vem a calhar. Contexto Segundo dados projetados pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), até 2050 a produção de alimentos precisará crescer de 60% a 70% para atender a uma população de 9,8 bilhões de pessoas. Diante desse cenário, foram levantados questionamentos relacionados à capacidade da cadeia produtiva de alimentos suprir essa demanda. Os incrementos tecnológicos no campo resultaram em maior produtividade, entretanto, segundo levantamento realizado pe...
Boi gordo: preço caiu R$17,00/@ no acumulado de setembro

Boi gordo: preço caiu R$17,00/@ no acumulado de setembro

AGRONEGÓCIO
por Thayná Drugowick - Segundo levantamento da Scot Consultoria, em São Paulo, no acumulado de setembro, a cotação do boi gordo caiu R$17,00/@ em São Paulo. Para a vaca gorda o recuo foi de R$14,50/@ e para novilha gorda a queda foi de R$14,00/@. Na última sexta-feira (1/10), o mercado abriu com preços estáveis para as três categorias. Boa parte das indústrias estava fora das compras, já com escalas de abate prontas para atender à demanda doméstica com a virada de mês. Vale ressaltar que os frigoríficos exportadores seguem aguardando um posicionamento do nosso maior comprador, a China. Além disso, o gigante asiático está em feriado nacional, iniciado no dia 1/10, que se estenderá até 7/10, ou seja, até lá o mercado segue em expectativa. Análise originalmente publicada...